quinta-feira, 20 de dezembro de 2007

Os homens são animais de rebanho. Não serei ovelha.

Andarei sozinho e sem medo, sempre que for possível.

Contrariarei o coro dos contentes.

Desafiarei a falsa alegria do alarido dos amontoados de gente.

Recusarei a banalização do encontro. Não amarei a todos.

Não faço questão de que todos me apreciem.

Assumirei as minhas responsabilidades por mim mesmo.

Não depositarei no alheio, os fardos que são os meus.

Não participarei do pacto que faz da fraqueza, virtude.

Não enfeitarei com as cores do bem e da alegria,

a essa interdependência compulsória

que nos une a todos e nos condena, em servidão, ao outro.

A força impositiva que nos amalgama não requer o meu beneplácito.

A tua potencia, entretanto, também não me desnorteará.

Sei que não posso sempre só, mas sei que a solidão pode ser uma escolha.

Estarei entre os homens na cidade, comerei e beberei com eles,

Mas nunca me farei fácil apenas para agradá-los,

para cooptar a boa vontade da sua companhia.

Desdenho do calor covarde que conforta os que compartilham

a roda ao redor do fogo, temerosos de lançar o seu olhar

para a imensidão escura que jaz às suas costas.

Quero essa consciência sempre comigo, bússola a me guiar.

A todo o momento posso escolher partir,

deixar o grupo, opinar de modo diverso contra todo o senso comum,

a multidão não me intimidará.

Viajante solitário, não recuso o homem, o humano que jaz em mim,

Mas o quero de pé em seu orgulho e dignidade

e não como um mendigo das migalhas de afeto

dos favores e das boas vontades dos que são mais covardes do que eu..

Não temo que morte venha me colher em solidão.

Não lhe concederei, entretanto que me receba em condição de desamparo.

Sei que amizade pode existir e que ela é um acaso. O encontro amoroso uma loteria.

Sei que o raro e extraordinário é sempre exceção

Fraqueza e medo é que pretendem impôr-los como norma e como meta..

Se coopero é por me reconhecer incapaz de obter sozinho,

Mas a ninguém seduzirei para coopere comigo.

A autonomia de cada organismo é regida pelos ritmos do músculo cardíaco.

E em cada peito bate um só coração.

Cada pulmão respira somente o ar que lhes é necessário.

Que cada um ouse responder por si, eis a ponderação.

3 comentários:

Ramon Alcântara disse...

As ovelhas: negras, amarelas, azuis, rosas-choque e a misantropa olham as brancas iguais se agruparem, achando que por ir na frente guiam o cão e o homem.

abzzz

Anônimo disse...

não és uma ovelha, mto menos um pastor, mas indiretamente leva consigo uma série de "lanterneiros" pela tua postura e conduta.

Um leviano apropriado, com bolso carregado de ideais pronto a romper com mundo se preciso for. Eu te amo.

Carla disse...

Que coisa Linda!!!