domingo, 4 de novembro de 2007

Tenho que dizer que aonde vou, voce vai comigo como uma lembrança suave no meu coração... Advertido para não chamar de amor a este tão doce bem querer ele fica assim, sem nome, vagando por meu corpo, pelo meu coração, clamando que eu lhe nomeie... Reluto no interdito e desobedeço rebelde: eu te amo!

Um comentário:

Eu mesma! disse...

Adorei este ..sempre venho ler o mesmo...e aqui parece ser o melhor para...bjus, Eu mesma.