quarta-feira, 5 de maio de 2010

Deixar partir... outra escanção..

Se nas saudades de hoje, quando recém te vi, só de imaginar, adivinho as do amanhã quando partirás para tão longe, que triste panorama o meu futuro encerra! E se na minha boca não soluça um pedido para que fiques; não murmura a intensidade como te quero comigo é que mantenho a ferros, agrilhoado e mudo, o monstro egoísta que habita em mim. Deixar voar a borboleta, consentir dividir com outros, o esplendor dos seus azuis; aceitar que as plantas aspirem ao sol sem tolher a sua copa, quando esta se distancia do solo, tudo isso exige coragem e covardia, de um coração tensionado, entre o medo e a esperança, quando agir ou não agir converge para uma mesma desgraça. Mundo sem sentido, sentido sem mundo! Corajoso e covarde, despedir-me-ei de ti Sem um pingo de certeza de ter agido com retidão. Moira, o destino, não poderá ser cobrado, por mim, das conseqüências dos meus gestos sem ação. Vá borboleta! Cresça frondosa arvore! A memória dos teus azuis, o frescor da sua copa altaneira sempre me informarão de ti, sempre me lembrarão confuso, da alegria de saber que um dia, foste minha, e por pouco, muito pouco, não o seguistes sendo!

3 comentários:

Ramon Alcântara disse...

Borboletas-Boomerangue-Espelhos... levam nossos pólens...

abz

ava disse...

gostei de ver isso aqui sendo movimentado [...]

ava disse...

gostei de ver isso aqui sendo movimentado [...]