sábado, 10 de março de 2007

Nua pergunta. Você, diante de mim, parada nua, me interpela. Quer saber em sua nudez perplexa, diante de mim, atônito, do que eu nunca soube, jamais. O desejo que escorre dos seus olhos desce doce e empoça no umbigo. Pinga em gotas de perguntas que eu não sei responder. Percorro ansioso com meus olhos, as suas formas, com as pontas dos dedos, tateio o risco das letras que o seu corpo desenha e que não sei decifrar. Percorrem minhas narinas todos os cheiros que em verdes pastagens me convidam para em ti descansar. Bebo em tua fonte. Deito a minha língua no teu cantil. Sorvo sôfrego, delicias que nem sei nominar. O que queres de mim mulher, mais do que te posso dar ? Se o que me perguntas é o que não sabes responder, por que estimas que eu tenha para ti, resposta a oferecer? Pois de tudo que pude saber, o teu desejo não cala, mas também não sabe falar.

Um comentário:

Nanda disse...

Mulheres não são nada fáceis! rs Quem não toma cuidado com elas.... rsrsrs Bonita poesia moço, sensível e verdadeira. Bjinhuss :****