domingo, 18 de junho de 2006

Fica assim não, menina... Pode entrar menina, pode entrar e fica assim não... Fica assim não, que não vale a pena. A vida é pequena, passa tão ligeira, e a boniteza dela, não tá no grosso da sua apresentação. Nos entremeios, que são poucos, e no fundo-fundo de tudo-tudo, é que mora, escondidinho, o gosto forte do porque viver. Mas as vezes é assim mesmo... Depende do jeito de se acordar. Se no sono, a alma se despregou do corpo e no sonho voou pra muito longe, andou por lugares muito bonitos, e fez tudo que tinha vontade de fazer, quando é de manhã, por certo, pró corpo ela não há de querer voltar... Então, a gente tem que encarnar ela de novo. Mandar ela com força, voltar pró cerne, do cerne, que é o dentro da gente, a partir de onde, a gente sabe mandar. Fica assim não menina, que não vale a pena. Pois não é a alma que é pequena. Mal criada e rebelde, isso, as vezes, ela é. As vezes. Pró nosso bem, ela é. Más, pequeno, pequeno mesmo, é assim, quase sempre, este mundo em que se faz nossa sina viver. Labutar todo dia, fazê lição e aprendê... Mundo estreito, mundo raso Mundo duído, mundo doidio. De pouca consideração. Por isso não há que se estranhar de que, as vezes, a alma não queira ficar. A alma ? A alma, só fica querendo voar, viver no que é bem bom, que é bom demais. Espairecer e espraiar. Que é disso que alma sabe, que é de disso, que a alma entende. Que é disso que a alma gosta, a alma, menina, a alma só quer sonhar!

Um comentário:

Nanda disse...

"vertigem de tanta vida"!!! rs essas almas que só querem sonhar, ah, como causam prejuízo!